quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Portulaca oleracea


Essa plantinha, Portulaca oleracea, apareceu espontaneamente no jardim onde trabalho. Da família Portulacaceae, não requer cuidados especiais e vai bem em qualquer ambiente, desde que bem iluminado. Nasceu até mesmo nos vãos de minha calçada! Isso faz com que seja uma boa opção para jardins de suculentas.
A reprodução é feita por sementes, e depois da floração ela tende a desaparecer. É possível comprar sementes em lojas de flores.
Repare como a flor se parece com a flor dos cactus, só que com menos pétalas. Essas duas famílias (Cactaceae e Portulacaceae) pertencem à mesma ordem, Caryophyllales.

domingo, 28 de dezembro de 2008

Sansevieria cylindrica

Sansevieria cylindrica, da família Rustaceae, é fácil de cultivar e muito rústica. Solo bem drenado e sol pleno são o suficiente para essa planta. Pode ser mantida em local sombreado, mas as folhas ficam "abertas" e não eretas como essas da foto.
A propafação pode ser feita separando os brotos que a planta produz ou através de estacas foliares, que podem ser feitas com pedaços das folhas.
As flores são muito delicadas e duram pouco. A floração, aqui em São Paulo, acontece no inverno e primavera.
É parente da Espada de São Jorge (Sansevieria trifasciata) e chamada de Lança de São Jorge, devido ao formato de suas folhas.
Uma curiosidade: já vi, em várias casas, essa planta em vasos e com cascas de ovos colocadas nas pontas das folhas, como se fossem capacetes. Alguém sabe o motivo disso?

Cissus quadrangularis


Cissus quadrangularis é uma planta da família Vitaceae, a mesma que a uva, que é relativamente comum no hobby. Pode ser plantada em solo bem drenado, mantida em sol pleno ou meia sombra e requer apenas adubações esporádicas para crescer bem.
Pode ser mantida em vasos pendurados, pois cresce muito e fica pendente e muito comprida. A minha está com mais de um metro e meio de comprimento.
A propagação pode ser feita facilmente por estacas caulinares.

sábado, 13 de dezembro de 2008

Senecio jacobsenii


Senecio jacobsenii, da família Asteraceae, é muito interessante por ser uma planta que pode ser cultivada pendente ou no jardim, onde ela se espalha pelo chão. Portanto, se cultivada num vaso, esse deve ser pendurado para a planta poder se desenvolver corretamente.
Sobstrato bem drenado é praticamente a única exigência dessa planta. Suporta bem sol pleno e meia sombra.
A propagação pode ser feita por estacas caulinares, que podem ser plantadas direto em local definitivo.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Pachypodium saundersii


Pachypodium saundersii dispensa muitos comentários. Ótima para jardins, é muito resistente e pode ficar ao ar livre, pegando chuva, vento e sol direto.
Numa parte do ano, na época de seca, perde todas as folhas. Na entrada da primavera, as folhas aparecem novamente.
As flores são brancas e numerosas:
Os frutos são típicos da família Apocinaceae. Veja:

Adenium obesum

Adenium obesum pertence à família Apocinaceae e é, sem dúvida, uma das suculentas com as flores mais bonitas de todas. São várias formas e cores. Além disso, o formato da planta é muito interessante.
O solo tem que ser muito bem drenado, pois a base da planta pode apodrecer. No mais, a planta é muito resistente.

Crassula sp.

Ainda não descobri qual a identidade dessa planta. Mas posso dizer que o cultivo é fácil e que é bem resistente ao excesso de água. Gosta de sol pleno e não requer mais nenhum cuidado especial.
A floração acontece no verão:

domingo, 7 de dezembro de 2008

Dúvidas, muitas dúvidas...

Como vocês devem ter reparado, estou colocando algumas fotos no blog sem identificação definitiva. Se alguém souber o nome dessas plantas, por favor sinta-se à vontade para comentar!

sábado, 6 de dezembro de 2008

Sempervivum sp.


Posted by Picasa

Sinocrassula sp.

Posted by Picasa

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Pereskia grandiflora

Pereskia grandiflora, apesar das folhas, é uma Cactácea. De crescimento vigoroso, é ideal para jardins, onde vai bem em qualquer tipo de solo.
A floração é muito bonita e acontece praticamente o ano todo em condições adequadas. Veja o detalhe da flor:
Normalmente nós a encontramos co porte arbustivo, mas ela se torna uma árvore. Veja um arbusto no jardim:
E uma árvore numa calçada em Santo André:O fruto possui folhas e espinhos, mas o número de sementes presentes nos que vi não era muito grande, em torno de uma dúzia.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Gasteria carinata var. verrucosa

Não tenho muita certeza da identificação dessa planta, mas é por esse nome, Gasteria carinata var. verrucosa, que ela é chamada nos blogs e listas de discussão pela internet.
Pertence à Família Asphodelaceae e é originária da Africa do Sul.
O cultivo não requer cuidados especiais, apenas solo bem drenado e muita luz, de preferência sol pleno. Adubações melhoram as florações.
Veja que espetáculo essas flores, de uma planta que estava em sol pleno num jardim:
Essa flor, também muito bonita, é de uma planta cultivada à meia sombra. As cores são menos vibrantes:

Aqui os frutos se formando. É interessante como eles viram para cima, enquanto as flores são para baixo.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Echinopsis subdenudata

Echinopsis subdenudata é mais uma planta da família Cactaceae que é cultivada e vendida enxertada. É originária da Bolívia.
Essa eu comprei enxertada e retirei do cavalo. O resultado é esse aqui:
Depois de algum tempo, a planta deu flores (primeira foto) e, logo após, vários brotos laterais. 
Veja abaixo a planta com esses brotos e novos botões florais. Repare que, como a planta foi cultivada "no tempo", tomando chuva e sol direto, os espinhos apareceram entre "tufos" que parecem algodão e que eu acredito que sejam gloquídeos (por favor, me corrijam se estiver errado!). 
Aqui, as flores em detalhes:
Elas são grandes, delicadas e não duram muito, mas valem a pena:
Quanto ao cultivo, requer solo bem drenado e aceita sol direto. As regas podem ser esparsas, principalmente no inverno. Cuidado com os períodos de estiagem, pois, se a planta ficar muito desidratada, uma rega exagerada pode fazer com que ela absorva água demais e "rache". Ela não morre, mas a aparencia não é muito boa. Adubações freqüentes são indicadas para aumentar o número de flores.

sábado, 18 de outubro de 2008

Sedum adolphii

Sedum adolphii, da família Crassulaceae, precisa de algumas horas de sol direto para ficar com as pontas das folhas avermelhadas e com a aparência compacta. No mais, não requer cuidados especiais.
As folhas mais velhas tendem a cair, como na foto abaixo, mas novos brotos aparecem na base da planta.
Note a distribuição "em espiral" das folhas:
As flores, surpreendentemente, são tetrâmeras, ou seja, as partes florais aparecem em número de quatro: quatro pétalas, quatro estames, e assim por diante. Normalmente, nos seduns, as flores são pentâmeras.

Sedum morganianum




Sedum morganianum é uma planta comumente encontrada em cultivo e é, pelo que me lembro, uma das primeiras suculentas que vi na vida. Seu nome popular é Rabo-de-burro e é originária do México.
Da família Crassulaceae, S. morganianum tem as folhas pontudas e apresenta um hábito pendente. Por isso, deve ser cultivada pendurada ou em muros, pois fica muito comprida.
Gosta de solo rico e bem drenado, mas aceita praticamente qualquer substrato que não fique muito encharcado.A propagação é fácil, por estacas caulinares ou foliares.
Quanto à luminosidade, aceita de sol pleno à meia sombra, mas deve ser adaptada aos poucos. Se colocada direto no sol, pode apresentar queimaduras como as da planta abaixo.A floração acontece no início da primavera e as flores são um pouco diferentes da maioria dos seduns. Veja:
As vezes é confundida com S. burrito, mas esse possui folhas menores e de pontas arredondadas. Além disso, S. burrito tem aparência mais compacta. Veja uma foto das duas lado a lado:

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Kalanchoe longiflora

Da família Crassulaceae, Kalanchoe longiflora é comumente vista em jardins, e algumas vezes encontrada entre colecionadores.
Planta muito resistente, resiste aos mais severos ambientes.
Pra ficar com essa cor avermelhada precisa de sol pleno, mas pode ser cultivada à meia sombra, onde vica verde mais escuro.

A floração acontece no fim do inverno e início da primavera. As flores são pequenas, amarelas e não muito atraentes. A inflorescência é comprida e fininha. Se não estiver em sol pleno, a inflorescência tente a cair, não conseguindo ficar ereta. Veja as flores:

domingo, 28 de setembro de 2008

Orbea variegata

Orbea variegata, da família Asclepiadaceae, é comumente encontrada no hobby. Não é por menos: suas flores são impressionantes, grandes e muito vistosas. Veja nessa foto a comparação com o tamanho do "dedão" em baixo:

Substrato bem drenado, adubações freqüentes e algumas horas de sol são imprescindíveis para estimular a floração, que acontece no verão até o início do outono.
Para propagá-la, basta separar um talo e relantá-lo. Pode-se deixar o corte cicatrizar antes de colocá-lo na terra.
Cochonilhas podem ser um problema, mas O. variegata é bem resistente e a praga pode ser retirada manualmente.
Aqui, a flor em detalhe: